Igreja brasileira perde o padre José Comblim

por 20:44 0 comentários
 A Igreja perdeu o padre Comblin. Ele faleceu em Salvador, em 27 de março de 2011 mais eu só soube da notícia ontem. Lamento, porque sei do seu empenho na evangelização de comunidades carentes e rurais e de sua contribuição à Teologia da Libertação. Na foto acima, um momento histórico pra mim. Em 2009 estávamos reunidos em Salvador, para o congresso Transformando a Missão. A pausa para a foto reuniu Levi, padre Comblin, eu e o pastor René Padilla. 

José Comblin, padre belga, tinha 88 anos, e era um dos mais importantes e polêmicos teóricos da Teologia da Libertação, e autor de vários livros, entre os quais A Teologia da Enxada, sobre a vivência cristã e teológica nas comunidades rurais. Ele estava em tratamento médico na capital baiana. Foi encontrado morto, sentado, em seu quarto, quando era esperado para a oração da manhã e não apareceu na capela. Ele tinha problemas cardíacos e usava marcapasso. Apesar da doença, parecia bem disposto e estava trabalhando.

Nascido em Bruxelas, em 22 de março de 1923, padre Comblin veio para o Brasil em 1958, atendendo a apelo do papa Pio XII, que no documento Fidei donum (O Dom da Fé) pedia missionários voluntários para regiões com falta de sacerdotes. Depois de trabalhar em Campinas e, em seguida, passar uma temporada no Chile, foi para Pernambuco, em 1964, quando d. Helder Câmara foi nomeado arcebispo de Olinda e Recife. Perseguido pelo regime militar, foi detido e deportado, em 1972, ao desembarcar no aeroporto de volta de uma viagem à Europa. (Com informações do Estadão)

Leia um pouco mais sobre o exemplo de vida do irmão Comblin

Ricardo Matense

Vereador de Verdade

Ricardo Matense é Vereador no município de Mata de São João, Bahia. Na Câmara Municipal é presidente da Comissão dos Direitos da Criança, do Adolescente e do Jovem e é o relator da Comissão de Legislação, Justiça e Redação Final.

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por comentar meu blog.
Cadastre seu e-mail e receba atualizações gratuitamente.

Um abraço,

Ricardo Matense