Além do meu alcance

por 19:23 0 comentários
Tal conhecimento é maravilhoso demais e está além do meu alcance. (Sl 139.6.)

Há objetos tão pesados que não podemos levantar. Há distâncias tão longas que não podemos percorrer. Há frutos em galhos tão altos que não podemos colher. Há votos tão irresponsáveis que não podemos cumprir. Há imagens tão longínquas que não podemos discernir. Há sonhos tão utópicos que não podemos concretizar. Há coisas tão caras que não podemos comprar.

No Salmo 139, o salmista aumenta essa lista de coisas impossíveis. Depois de refletir sobre a onisciência de Deus, ele confessa sem rodeios: “Tal conhecimento é maravilhoso demais e está além do meu alcance; é tão elevado que não o posso atingir” (v. 6).

O poeta de Israel tem toda razão. O conhecimento de Deus ultrapassa a minha capacidade de pensar. É maravilhoso demais, é sublime demais, é alto demais, é profundo demais. Pois, “antes mesmo que a palavra me chegue à língua”, Deus já a conhece inteiramente (v. 4). Ele sabe de tudo a meu respeito: sabe quando me sento e quando me levanto, quando trabalho e quando descanso (vv. 2,3), quando me alegro e quando derramo lágrimas, quando estou forte e quando estou fraco, quando cometo acertos e quando cometo erros, quando amo e quando odeio, quando me encho de coragem e quando morro de medo. Esse Deus cujo conhecimento está além do meu alcance me viu quando eu ainda era “uma substância informe”, apenas um embrião, um ser recém-concebido (v. 16). Quando a barriga de minha mãe ainda não havia crescido, Deus já me conhecia!

Retirado de “Refeições Diárias com o Sabor dos Salmos” (Editora Ultimato, 2006).

Ricardo Matense

Vereador de Verdade

Ricardo Matense é Vereador no município de Mata de São João, Bahia. Na Câmara Municipal é presidente da Comissão dos Direitos da Criança, do Adolescente e do Jovem e é o relator da Comissão de Legislação, Justiça e Redação Final.

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por comentar meu blog.
Cadastre seu e-mail e receba atualizações gratuitamente.

Um abraço,

Ricardo Matense